domingo, 27 de maio de 2012

Reforma agrária: Nove anos do Olga Benário

A partilha simbólica do pão
O Assentamento Olga Benário, em Santa Tereza do Oeste, vem somando conquistas e demonstrando que a reforma agrária dá certo, beneficiando não somente as famílias que conquistaram a terra, mas gerando emprego e distribuição de renda que auxilia a economia da região.

O assentamento do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra), distante 15 quilômetros de Cascavel, completou nove anos neste sábado (26/05). A festa reuniu trabalhadores, amigos e colaboradores da reforma agrária na região Oeste do Paraná. O Sítio Coletivo foi um dos convidados da bela festa organizada pelos trabalhadores rurais sem-terra.

A comemoração foi iniciada com uma celebração ecumênica e a leitura de um texto das tradicionais místicas realizadas pelo MST, rituais que se constituem em práticas pedagógicas e educativas do movimento. Em menção a inauguração da padaria comunitária da comunidade, foi realizada a partilha simbólica do pão por dois jovens sem-terra.

A padaria comunitária produzirá alimentos que são frutos da reforma agrária. O espaço, de 48 metros quadrados, foi construído pelos assentados e contou com doações de aliados da reforma agrária, como sindicatos de Cascavel, caritas diocesanas, paróquias, prefeitura de Santa Tereza do Oeste e comerciantes do município.  

O espaço ainda necessita de acabamentos, mas já está produzindo semanalmente cerca 900 quilos de pães, cucas e bolachas. Esses produtos são entregues a 33 colégios estaduais nos municípios de Cascavel e Santa Tereza do Oeste.

Além da merenda escolar, o Assentamento Olga Benário tem a experiência do PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), onde as famílias têm conseguido garantir a produção diversificada de alimentos para a doação a entidades assistenciais e educacionais de Santa Tereza do Oeste.

"A ideia da construção da padaria surgiu em dezembro do ano passado e hoje estamos felizes com essa conquista para a comunidade, teremos um local adequado para produzir os alimentos da reforma agrária. Pretendemos ampliar nossa produção, participar da feira municipal do pequeno agricultor e fornecer nossos produtos ao comércio local de Cascavel e Santa Tereza", destaca a assentada Marilene Hammel, uma das 13 pessoas que trabalham na padaria comunitária.

Além da padaria, o assentamento deverá implantar ainda esse ano um viveiro comunitário para a produção de mudas de hortaliças. Com isso, também será garantido o fornecimento de água para que as famílias possam organizar suas hortas e melhora sua produção e alimentação. O viveiro será viabilizado por meio de um patrocínio da Eletrosul. A comunidade também projeta a construção de um barracão comunitário, um espaço para confraternização das famílias com a sociedade, que deverá ser viabilizado por meio de uma emenda parlamentar do deputado federal Dr. Rosinha (PT).

O militante Eduardo Rodrigues, um dos coordenadores do Olga Benário, destaca as conquistas obtidas pelo assentamento, mesmo diante de uma série de dificuldades. "Ao longo desses anos tivemos que enfrentar a tiraria do latifúndio, o ódio de grande parte dos meios de comunicação e muitas vezes a incompreensão da sociedade, mas dia a dia, fomos conquistando nosso pedaço de terra e cada melhoria de vida com grande esforço e luta", diz o sem-terra.

Ele destaca que as conquistas só foram possíveis graças à união das famílias que lutam até hoje, empunhando a bandeira do MST, movimento que os une e que dá condições para que as conquistas sejam alcançadas. "Também gostaria de agradecer aos amigos e parceiros da reforma agrária na região, que nos acompanham nesses nove anos de luta", conclui Eduardo.

O compromisso de estar na contramão do agronegócio, fazendo a opção pela agroecologia como ferramenta de produção em uma terra sem veneno e agrotóxicos, faz com que os assentados do Olga Benário sigam na luta pela reforma agrária, levando o legado da ex-militante comunista que pregava a luta pelo que é "bom, belo e justo". 

Padaria comunitário do Olga Benário
Produtos da reforma agrária
Produtos da reforma agrária
Eduardo Rodrigues
Eduardo e Marilene em leitura do texto da mística
Celebração ecumênica
Araídes Duarte e a filha Yara

3 comentários:

  1. Grande MST! Seguimos juntos nesta luta!!!

    Paulo Porto

    ResponderExcluir
  2. Muito boa matéria... Vai para o site do MST.... www.mst.org.br

    ResponderExcluir
  3. Alceu A. Sperança28 de maio de 2012 13:21

    A memória de Olga Benário vive na melhor luta do nosso povo, que é usar bem a terra para produzir alimentos para o povo.

    Repartir o pão é um símbolo imortal, impossível de ser vencido.

    ResponderExcluir